O caso do telemóvel, o maior crime nacional

Deixei propositadamente acalmar toda a euforia bloguística e jornalística sobre o caso da miúda que enfurecidamente tentou recuperar o seu telemóvel, para falar um bocado sobre uma coisa que me chocou bastante em todo o processo. Sim, em parte falhei, porque isto ainda dá pano para mangas por toda a imprensa, e blogosfera, mas será agora que direi o que penso.

Não, não estou chocado com a miúda que fez a triste cena. É uma acção de indisciplina, é mau para toda a gente que se tomem comportamentos destes, mas não é nada que nunca se tenha ouvido. Quem nunca ouviu de casos bem mais graves nos dias de hoje? Ok, foi filmado, e tornado público. Grande coisa.

Também não é pela atitude da professora. Muito já ouvi falar sobre ela ter agido bem ou mal, tanto que até já me faz confusão. Para mim agiu mal, a partir do momento em que foi buscar pessoalmente o telemóvel à mão da miúda quebrou a barreira física entre aluno e professor, e as cenas que se seguíram foram apenas uma consequência patética. Mas isto não minora o erro da aluna. Não é por uma ter errado que a outra fez a coisa certa.

Os miúdos meterem-se a gravar, e não separarem as pessoas para poder filmar mais um bocado, provaram que são miúdos. Agiram mal, sim é verdade. Toda a gente também já percebeu isto.

Agora as declarações e toda a colocação e aproveitamento mediático por parte do procurador geral da República são para mim o pior de tudo. Não tem a atenuante da professora de se encontrar sob uma turma que não controla, ou dos miúdos serem miúdos. O procurador apareceu logo na TV a dizer que ia seguir com atenção todo este caso, e que já tinha colocado o Ministério Público a tratar do crime público de ofensas que aconteceu. Serei apenas eu que vi uma miúda a agarrar-se a uma professora por causa de um telemóvel? Não vi facas sacadas, nem armas apontadas. Nem sequer um murro. Porque raio é que o nosso mais alto Procurador tem de vir seguir este caso com atenção, para que seja punido exemplarmente o seu causador? Não existe criminalidade mais grave que isto em Portugal? Se for assim, fico realmente satisfeito… Viver num país em que o crime mais grave que anda a acontecer é uma aluna de 14 anos andar a brigar com a professora pela posse de um telemóvel. Uff, antes isso que homicídios com armas de calibre de guerra ou carjacking a tornar-se popular.