Algumas notas sobre o imbróglio dos resultados eleitorais…

Já não escrevia aqui à algum tempo, mas as eleições deixaram isto de tal forma baralhado que tenho vontade de passar a escrito aquilo que muito tenho falado. Até para de futuro poder voltar atrás e olhar para o que estava a pensar agora.

As eleições foram ganhas pelo PaF (PSD + CDS). E até agora sempre em Portugal o partido que ganhou foi quem formou governo.

O fundador e símbolo Socialista Mário Soares recusou aquando a queda do governo minoritário de Cavaco Silva uma iniciativa semelhante à que PS+BE+CDU estão a tentar fazer. Uma grande mostra de respeito democrático por parte de Mário Soares.

António Costa está apenas a tentar arranjar maneira de ficar no poleiro, já tendo mostrado que apenas quer manter o cargo de líder do PSD, e que a única forma de o manter é chegar a primeiro ministro.

A forma correcta e tradicional para formar governo em Portugal é convidar o líder do Partido mais votado a formar governo. Depois se na Assembleia da Republica resolver fazer passar uma moção de rejeição, e fazer cair esse governo, estará no seu direito democrático. Aí serão convocadas eleições a curto prazo (cerca de seis meses neste caso) e os Portugueses serão chamados a decidir.

E caso façam isso, espero que o PS+CDU+BE concorram coligados. E se forem os mais votados, que governem.

Agora ver a CDU (Estalinistas, que devotamente ainda hoje elogiam a URSS, Cuba e Coreia do Norte) a ter comportamentos antidemocráticos, não é de estranhar.

O PS, que apesar de ter algumas diferenças de opinião das minhas, sempre primou pela Democracia. Que foi fundamental na liberdade de expressão e de voto aquando do 25 de Novembro, ter posições destas… Isso sim deixa-me desiludido, triste e chocado.